quinta-feira, 25 de maio de 2017

Não há vitória sem sacrifícios e sofrimentos - Papa na audiência geral


Depois da audiência a Donald Trump, que durou cerca de meia hora, o Papa Francisco dirigiu-se à Praça de São Pedro, onde milhares de fiéis e peregrinos de várias partes do mundo estavam já reunidos para ouvir a sua catequese semanal, desta vez centrada sobre “Emaús, o caminho da esperança
O Papa partiu da leitura bíblica do Evangelho de São Lucas, para falar da experiencia dos dois discípulos de Emaús que tinham posto toda a sua esperança em Jesus. Pensavam que depois de um longo período de preparação e escondimento, Jesus teria manifestado a sua potencia, mas isso não aconteceu. Ele morreu na cruz.
Os dois discípulos estavam tristes – disse o Papa – porque tinham cultivado uma esperança só do ponto de vista humano e que acabou por desmoronar. Por isso eles fugiram de Jerusalém tristes para ir procurar tranquilidade numa aldeia. Aquela festa de Páscoa que devia entoar o cântico da libertação tinha-se, pelo contrário, transformado num dia doloroso. Estão caminham tristes. Francisco chamou atenção para o elemento “caminho”  que era já importante nas narrações evangélicas e que torna-se ainda mais importante quando se começa a contar a história da Igreja.
Os dois discípulos caminham pensativos quando alguém se põe ao lado deles. É Jesus, mas não o reconhecem. Jesus começa então a sua “terapia da esperança – sublinhou o Papa indicando o método seguido por Cristo: pergunta e escuta, pois que Jesus não se imiscui. Deixa aos discípulos o tempo de remexer eles próprios em profundidade a sua amargura. O resultado é uma confissão: “nós esperávamos, mas….”  O Papa compara a amargura destes dois discípulos às que cada um de nós pode ter e tem na vida. Mas Jesus caminha, diz o Papa…
 “Jesus caminha com todas as pessoas desconfortadas que caminham com a cabeça abaixada. E caminhando com eles, de maneira discreta, consegue voltar a dar esperança” .
Jesus – prosseguiu o Papa – fala aos discípulos  de Emaús antes de mais através das Escrituras para fazer compreender que não há heroísmo fácil. A verdadeira esperança  passa sempre por derrotas, por sofrimentos...
Depois Jesus repete-lhes o gesto principal de cada Eucaristia: toma o pão, o abençoa, o parte e o dá. Nesta serie de gestos  não está por ventura toda a história de Jesus, aquilo que deve ser a Igreja? – pergunta Francisco que responde:
Jesus nos toma, nos abençoa, “quebra” a nossa vida – porque não há amor sem sacrifício – e a oferece aos outros, a oferece a todos”.
O encontro de Jesus com os dois discípulos é rápido, mas nele está todo o destino da Igreja. Uma Igreja em caminho, não encerrada numa cidadela. E no caminho “encontra as pessoas com as suas esperanças e desilusões, por vezes pesadas”; escuta-as e dá a Palavra de esperança, testemunho de amor, amor fiel até ao fim.
Todos nós, na nossa vida, temos tido momentos difíceis, de escuridão; momentos em que caminhávamos tristes, pensativos, sem horizontes, só um muro à frente. E Jesus está sempre ao nosso lado para nos dar esperança, para aquecer o nosso coração e dizer “vai em frente, eu estou contigo. Vai em frente
O segredo de Emaús está nisto – disse Francisco. Mesmo através de aparência contrárias, continuamos a ser amados, e Deus não deixará nunca de nos querer bem.
Deus caminhará sempre connosco, sempre, mesmo nos momentos mais dolorosos, mesmo nos momentos mais duros, mesmo nos momentos de derrota: ali está o Senhor. E é esta a nossa esperança: vamos para a frente com esta esperança, porque Ele está ao nosso lado caminhando connosco. Sempre! “
*
A catequese do Papa foi depois resumida em diversas línguas, incluindo a língua ucraina, e ao saudar em italiano os peregrinos desta língua, mas com algumas palavras em ucraino, o que suscitou aplausos, o Papa disse que continua a inovar do Senhor a paz para a querida terra ucraina.
Eis a saudação do Papa aos peregrinos de língua portuguesa
"Saúdo os peregrinos de língua portuguesa, invocando para todos as consolações e luzes do Espírito de Deus, a fim de que, vencidos pessimismos e desilusões da vida, possam cruzar, juntamente com os seres queridos, o limiar da esperança que temos em Cristo ressuscitado. Conto com as vossas orações. Obrigado!"
(DA)
Fonte:http://pt.radiovaticana.va/news/2017/05/24/n%C3%A3o_h%C3%A1_vit%C3%B3ria_sem_sacrif%C3%ADcios_e_sofrimentos_-_papa_/1314509

Nenhum comentário :

Postar um comentário